Não compreendo como querer o outro possa tornar-se mais forte do que querer a si próprio.? Caio Fernando Abreu
Textos


Meu jeito de compor,
Tem um que eclético
Tem um pouco de humor
Os meus versos sintéticos.

No peito eu escondo
Esses versos sem preço,
E se me vem o imbondo
Nem ponho o endereço.

Leio, releio e espero
Que o leitor sincero,
Condene ou recomende.
Se eu merecer, tende

Tecer com esmero.
Se o verso decrescer
Com ele serei severo,
Ou muito triste fenecer.

Leitores, meus leitores
Vocês meus redentores
O texto que vos deixo
No cerebelo fez remeleixo.
dinapoetisadapaz
Enviado por dinapoetisadapaz em 24/04/2017
Alterado em 24/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr