Não compreendo como querer o outro possa tornar-se mais forte do que querer a si próprio.? Caio Fernando Abreu
Textos

Deu canseira
Construí castelos
Ruíram, ganhei sorriso amarelo
Vi sonhos desmoronados
Meu olhar petrificado
Amarguei algumas derrotas
De mim fizeram chacota
Comemorei  várias vitórias
Faz parte da minha história
Conquiatei uns  certos amores
Deses ganhei muitas flores
Perdi  uns outros tantos
Creio que foi quebranto
Nesse ciclo de  ilusões
Mutante como as estações
Ora  quente,  outra fria
Meu Deus que agonia
Uma  que enfeita, outra que  desnuda
E tudo nesse mundo muda
Mas eu não desisto da vida
Para tudo arrumo saída
Enquanto  Deus  permitir
Não quero me despedir
Se um dia eu cheguei
E para que vim não sei.
De agora em diante
Estou mais confiante
Para acalmar meu espírito
Recuso todos os conflitos
Não bato de frente
Pra não ficar doente
Saio sempre da reta
Essa é a nova meta
Cansei de blá blá
Vou deixando pra lá
Os diálogos sem solução
Só acabam em confusão
Deu canseira!
Chega de asneira
Quem quiser encare a guerra
E vou descendo a serra
Para  encerrar a conversa
Que está ficando dispersa.
Pois  eu só quero Paz!
É o que me satisfaz!
dinapoetisadapaz
Enviado por dinapoetisadapaz em 02/05/2016
Alterado em 03/05/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr